quinta-feira, 25 de abril de 2013

Educação Infantil e o Reforço Positivo





Qual a melhor forma de educar? Eis a questão. Existe, de fato, uma explicação para isso? Diante da diversidade de estudos sobre o tema, a Psicologia compreende que sim, há uma melhor forma de criar filhos e modelar seus comportamentos a fim de que eles se tornem pessoas aptas a sobreviverem no mundo.

Para isso, a psicóloga Maíra Matos foi até Goiânia, na OSCIP Rede pela Paz, apresentar uma palestra sobre Educação Infantil para pais de crianças em situação de risco. A palestra, intitulada “Amor se Ensina em Casa”, apresentou técnicas como o reforço, comunicação assertiva, os problemas gerados pela punição em excesso, entre outros.












Aqui vai a cartilha na íntegra, com dicas breves sobre educação, distribuída aos pais e/ou responsáveis presentes no evento:



1) O Papel da Família:
- Pais e mães devem proteger, educar e amar seus filhos;

- Os filhos devem respeitar aos pais e a si mesmos;

- A família como um todo deve sempre promover a cooperação.


2) Qual a melhor forma de educar?
- A punição em excesso se torna banalizada e já não faz mais efeito, ou seja, não funciona;

- Punição demais gera emoções ruins nas crianças;

- Reforçar, elogiar e valorizar bons comportamentos é mais eficiente do que punir as más atitudes;

- A criança deve se sentir amada e valorizada, assim ela também pode gostar e acreditar em si mesma;

- Uma criança precisa mais de modelos do que de críticas;

- Seja um exemplo para seu filho. As crianças aprendem melhor por observação do que por regras faladas.



3) Converse com seu filho:


- Os adultos estão muito preocupados com problemas de dinheiro, trabalho, casamento e etc., por isso desvalorizam as dificuldades das crianças e adolescentes;

- Escute com atenção o que ele tem a dizer e não dê apenas uma bronca ou um sermão. Assim as chances de ele se comunicar com você serão maiores;

- Os problemas enfrentados por nossos filhos não são bobos ou com pouco valor, eles são muito importantes para a vida deles, por isso, respeite!

- Devemos ensinar autonomia e independência aos jovens. Assim, conversar e se mostrar interessado em suas dificuldades pode ajudá-los a buscar uma solução e ensiná-los e resolver seus próprios problemas.





4) Brinque com seu filho:

- Mesmo com a rotina cheia de afazeres, podemos fazer um esforço e arranjar tempo para dar atenção aos nossos filhos;

- Brincadeiras, piadas e conversas divertidas promovem a união e aproximação dos familiares;

- Toda criança precisa brincar! É importante para o desenvolvimento dela. Por isso, deixe um tempo livre para que ela se divirta.


5) Estabeleça uma rotina, com regras e limites:

- Quem dá as regras são os pais e não os filhos. Estes devem se adaptar ao que o papai e a mamãe decidiram que é o melhor para eles. Defina as regras e fiscalize!

- Toda criança precisa de uma rotina, com horários de acordar, lanchar, tomar banho, brincar, fazer a tarefa e etc.

- Diante de um mau comportamento, retire brinquedos ou atividades que eles gostem e evite a punição física.




6) Amor incondicional:

- Mesmo se o seu filho vai mal na escola, se tem uma deficiência ou imperfeição, se tem maus comportamentos; ele deve entender que o seu amor sempre existirá. E que impor limites também pode ser um sinal de amor! ♥






Para pais interessados que possuem questionamentos, mais informações no e-mail: mairamatoscosta@gmail.com!


Sugestão de Leitura:

Weber, L. (2009). Eduque com Carinho: equilíbrio entre amor e limites – para pais. Editora Juruá: Curitiba. 


Conheça a Rede pela Paz, acesse o Facebook da instituição aqui. Coordenação Rosane Rita.

3 comentários:

  1. Parabéns pela palestra.Gostaríamos de recebe-la novamente para abordar outros temas.

    ResponderExcluir